quarta-feira, 21 de janeiro de 2009

Raízes no Ar.


Olhamos para traz e vemos o quanto estamos adiantados em muita coisa.

Tínhamos árvores verdes que roubavam os olhos,

Hoje temos áreas verdes,

Pintadas com as tintas de mais alta tecnologia,

Deve-se dizer.


Mas pecamos na transmissão do saber,

Em vez de evoluir, nos destruímos pouco

a pouco,

Não vemos nossas raízes e tentamos moldar o que não se muda,

E nessas mudanças as destruímos, pouco a pouco.


A revolta já se faz.

De um sopro de ar à uma onda de água.

Do tremer da terra ao calor do gelo.

sábado, 3 de janeiro de 2009


Terceiro dia do ano, a data 03, e o que mudou?
Talvez o ano, também o mês, mas os dias ainda caminham lentos,
Parecem estar no mesmo ritmo, mudam sem perceber.


Acho que os brilhos dos fogos, das lâmpadas de natal,
Ajudam-nos a encandear nossa vista, para as mudanças,
Por que esperar um dia chegar?
Mudamos por dentro, a todo instante,
E não, a espera de uma pagina virar.