segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

Contorção

Começa a me contorcer pro dentro, o peito salta de dor, os olhos se enchem e derramam como a sangria de uma caixa d’água cheia só esperando a hora pra transbordar.

Sinto que minha essência está mais viscosa perto das vísceras elas quase não escorrem mais, ganha a consistência do mel mais doce, mas até o doce enjoa ás vezes, o agridoce me atrai mais, não sei o que misturar para ser assim ou não ser. Hoje não sei.


Ouvindo: Gram. O Rei do Sol.

Lagrimas nos olhos, na boca o gosto azedo de um doce e no peito o peso de ter que ser alguém, a angustia de não ser bom para quem se quer ser.